Procurando algo?

28/08/2014

Feminismo: O que é ser feminista?

Infelizmente, é comum escutar estas frases hoje em dia: "Não sou feminista e nem machista", "não sou feminista e nem machista, sou humanista" e "não sou feminista, acho que todos deveriam ser tratados igualmente e ter os mesmos direitos".

Ser feminista é lutar pela igualdade e pelos nossos direitos. Durante muitos anos mulheres não podiam votar, nem trabalhar, nem cursar uma faculdade e tinham que obedecer sempre aos homens da família.

Graças a muitos protestos e lutas, esta realidade mudou. E agora? É a hora de deixar de lado toda a história e parar de apoiar o movimento?

Não, por que infelizmente o machismo ainda existe, especialmente em países islâmicos. No entanto, vivemos num país em que a maioria das propagandas de cerveja são totalmente direcionadas ao público masculino. Muitos programas de televisão brasileiros contratam dançarinas semi-nuas para o entretenimento masculino; as mulheres pagam menos para entrar na maioria das casas noturnas (é claro, para haverem mais mulheres para os homens); e agora existem vagões no metro especiais para mulheres - por que muitos homens não tem respeito pelo nosso corpo e espaço físico.

O feminismo também apoia o fim do sexismo, a legalização do aborto e a liberdade sexual das mulheres. Ou seja, também queremos que homens possam dançar balé sem serem discriminados. Que mulheres possam lutar muay thai sem serem mal vistas. Que o alistamento militar não seja obrigatório só para os homens. Que o aborto realizado em clinicas clandestinas não mate mais mulheres. E que as mulheres possam ser respeitadas independente do número de parceiros que já tiveram.

Nós defendemos a imagem de uma mulher real. De um homem real. De uma sociedade justa, humanitária e liberal. Sem rótulos. E sem preconceitos. 



6 comentários:

  1. Eu tava vendo isso de estupro, lamentável! Mais lamentável ainda é saber que em pleno século XXI tem gente que não sabe o real significado do feminismo! Parabéns pelo post, beijo!

    ResponderExcluir
  2. Eu participei de um grupo feminista no facebook, até eu ser expulsa, e pq. Pq lá nesse grupo todos eram super feministas, mas se você postava alguma coisa que fosse só um pouco diferente do que a maioria pensava você já era taxada da maxista, oprimida pela sociedade e bla bla bla. Creio que a grande aversão que a maioria das mulheres tem do feminismos é esse ideia de que para ser feminista tem que ser peluda, arrotar na mesa e ficar sangrando sem absorvente. Infelizmente, por conta dessas feministas mais radicais o movimento vem perdendo força, uma pena!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. nossa, que chato.
      mas é bem isso mesmo, o movimento não tem nada a ver com reprimir homens ou ser machona.

      Excluir
  3. Essa banalização de sexo frágil é uma p*** sacanagem!, as pessoas, digo, imbecis, confundem feminismo com homossexualidade, acham que a mulher que luta por seus direitos é "sapatão" como diz o popular. Eu sou mãe, criei minha filha por muitos anos sozinhas, moro sozinha desde os 17 e nunca fui dependente de ninguém. E sinceramente, a única pessoa que me aceita assim,é o meu atual marido e pai da minha filha. Tive muitos relacionamentos frustrados quando a pessoa descobria que eu não era uma boneca de porcelana.
    Vamos ampliar nossos conhecimentos, principalmente por nossos direitos. Falta iniciativa para sermos mais valorizadas e não sermos sujeitas à piadas infames ou passadas de mão e encochadas no metrô!
    Parabéns pela sua iniciativa de abordar esse assunto.

    ResponderExcluir

Quem escreve?

Professora, estudante do curso de Letras - Língua Portuguesa da UFSC e micro empresária da UP Língua Inglesa. Chama-se Martina Domingues, tem 23 anos e nasceu em Florianópolis - SC. Viajada, aventureira e blogueira nas horas vagas. Ama música, adora decorar a casa e também gosta muito de escrever. É na madrugada que ela geralmente vem aqui para escrever sobre qualquer coisa ou compartilhar o que acha pela internet com vocês.