Procurando algo?

01/06/2016

Inconscientemente, ele é um potencial estuprador

É difícil mudar de ângulo para ver a realidade de outra forma, dentro de outro corpo. Se colocar no lugar do outro e ter empatia suficiente para acreditar que na mente feminina, das mulheres que necessitam andar à noite na rua,
dividir espaços fechados ou até abertos somente com homens que desconhecem, andarem sozinhas em um estacionamento ou terem que vestir um short quando faz muito calor, é um grande motivo para terem comportamentos de segurança para manterem avsua integridade física e mental em possíveis lugares de risco.

Não há ódio. Não há preconceito. Há somente medo. Medo e insegurança. Há o reconhecimento do mesmo. E há tambem a noção de que a culpa não é nossa (no caso, da vítima de estupros ou assédios). Há a liberdade de expressão. Há a liberdade da mulher falar, dizer o quanto machuca. Dizer o quanto incomoda correr dois riscos: o de ser roubada e o de ser estuprada. 

O Brasil passa por problemas sociais, econômicos e políticos. Temos tantos problemas.... Mas seriam estes problemas uma justificativa plausível para ignorar as nossas reclamações e protestos? A TV aberta esta falando sobre estupro, assédio e liderança feminina na política e na sociedade. As revistas estão comentando o assunto. No facebook, somos mais de 876,654 usuários feministas na página Empodere Duas Mulheres.

Nós não vamos impedir estupros, nem assédios, muito menos acabar com o machismo... Mas nós iremos, da melhor forma possível, conscientizar, educar e propagar a igualdade, o respeito, a dignidade e o valor do corpo e da mente da mulher. Seja na TV, na internet ou nas revistas.

As vítimas são aquelas que se calam. Nós nunca devemos nos calar perante uma injustiça; perante um incômodo social. Inconscientemente, ele é sim um potencial estuprador. Conscientemente, ele também é um ser humano que tem mulheres na família

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Quem escreve?

Professora, tradutora e micro empresária da UP Língua Inglesa. Chama-se Martina Domingues, tem 23 anos e nasceu em Florianópolis - SC. Viajada, aventureira e blogueira nas horas vagas. Ama música, adora decorar a casa e também gosta muito de escrever. É na madrugada que ela geralmente vem aqui para escrever sobre qualquer coisa ou compartilhar o que acha pela internet com vocês.