Procurando algo?

27/07/2014

Comportamentos: A nossa nova geração individualista

Nós mulheres finalmente conquistamos muitos dos nossos direitos nas últimas décadas, a religião perdeu a força que tinha antes e a tecnologia evoluiu tanto que, às vezes as pessoas preferem conversar através de mensagens de texto pela internet.
 Graças a estas mudanças, tivemos mudanças nos padrões de comportamentos da nossa sociedade, e em consequência disto, mudanças na nossa vida e na forma como pensamos e agimos.

Estas mudanças nos afetaram de uma forma brusca, tanto é que nós estamos relativamente afastados uns dos outros. As amizades são cultivadas com mais alcool, e os "romances", com mais sexo. O romance de antigamente virou coisa de livro, e as pessoas não dizem mais "olá" e nem "bom dia" para os vizinhos como se fazia antigamente. Aliás, às vezes nós nos comunicamos muito mais com as pessoas através da internet ou do celular.

Tudo que acontece em nossas vidas, acontece de maneira extremamente rápida. Antigamente, para receber uma carta de algum parente ou amigo, as pessoas tinham que esperar dias. Para revelar fotos, as pessoas também tinham que esperar alguns dias. Para conquistar um pretendente, levava meses. Hoje em dia a arte da conquista nem é mais praticada nas festas ou nas boates. Às vezes tudo acontece tão rápido que quem pratica esta "arte" é considerado cafona.

Nós não sabemos mais esperar e nós não temos mais paciência com os relacionamentos. A internet nos abriu um leque de opções, e nós vamos ser mais exigentes a cada dia.
Então nós criamos uma idealização do ser humano. Nós temos acesso a fotos de diversas pessoas na internet - fotos que às vezes são falsas, manipuladas em programas de edição - e sendo assim, nós nos tornamos cada vez mais exigentes, por que queremos o melhor para nós mesmos, e nós acreditamos que já sabemos o que é melhor para nós mesmos (sem escutar o que os mais velhos dizem e sem gastar um tempo pra parar pra pensar um pouco).

Já que os mais velhos estão "por fora" e não conseguem se adaptar a nova geração tecnológica, não há tanta graça em ouvi-los. Aliás, o conhecimento e a sabedoria vindo dos mais velhos ou dos livros são desvalorizados, já que o Sr. Google nos explica tudo o que queremos saber de forma resumida e na velocidade da luz.

Os relacionamentos também ocorrem na velocidade da luz. Porém, nem todas as pessoas param pra pensar nisto, mas quando os relacionamentos são curtos, rápidos e casuais, nós perdemos a oportunidade de conhecer pessoas incríveis. Todas as pessoas que aparecem em nossas vidas tem algo a nos mostrar ou ensinar. Mas na nossa geração, as pessoas perdem o valor. E o tempo, a paciência e a espera também.

Nós estamos mais frios, e nós estamos mais individualistas. Nós não queremos mais família e nós não queremos mais filhos. Nós só queremos curtir o momento e curtir a liberdade que tanto lutamos para ter no passado. Mas é só isso que realmente importa?
Quando nossos pais morrerem e nós formos idosos, quem vai estar do nosso lado para nos fazer companhia e nos cuidar com todo carinho e amor que precisamos, quando não temos filhos?

Hoje em dia a moda é ser bem sucedido e ter companhia. E só. Acho que é por isso que a minha avó sempre diz: "Saudades de como as coisas eram no nosso tempo".

2 comentários:

  1. Oii! Eu sou a Gabi do blog ADF :3
    Encontrei seu texto em um grupo de divulgação e sinceramente não me arrependo de ter aberto e link e de ter lido tudo. Você disse exatamente o que penso, o que vejo. Realmente estão todos mais individualistas, mais impacientes, olhando pra si mesmo. A tecnologia veio para melhorar, mas algumas pessoas simplesmente não sabem usar como deveria e o mundo acaba ficando como você descreveu. As vezes eu também queria ser dos "velhos tempos" como sua vó disse, todos me falam que sou "careta". E ao contrário de muitos que não querem ter filhos, eu tenho vontade de ter uns 4 hahah espero ter boas condições para cuidar muito bem de todos.E realmente, ser bem sucedido é o maior objetivo da maioria das pessoas...
    Beijos, voltarei pra ler mais textos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelos elogios Gabi.
      Ser bem sucedido é muito bom, mas assim como tu, eu também penso em ter filhos, mas não 4 kkkkkkkkkkkkkkk também planejo ter uma família feliz, uma casa com quintal e um pet. Infelizmente muita gente resume a vida em trabalhar pra ficar rico.
      Fico feliz que tenha gostado texto, vou dar uma passada no teu blog pra conhecer :)
      Beijos

      Excluir

Quem escreve?

Uma professora de inglês e futura estudante de Letras na UFSC. Chama-se Martina Domingues, tem 22 anos e nasceu em Florianópolis - SC. Viajada, aventureira e blogueira nas horas vagas. Ama música, adora decorar a casa e também gosta muito de escrever. É na madrugada que ela geralmente vem aqui para escrever sobre qualquer coisa ou compartilhar o que acha pela internet com vocês.